Barueri inicia Campanha da Audição nas escolas

Dificuldade no desempenho escolar pode estar ligada a problemas de audição e o diagnóstico precoce pode fazer toda a diferença. Por isso, a Prefeitura de Barueri, por meio da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, iniciou a campanha “Caminhos do Som” que visa promover a saúde auditiva aos estudantes da 2ª fase da Emei e Emeief. A iniciativa conta com as parcerias das secretarias de Educação e de Saúde.

De acordo com a fonoaudióloga Solange Lança, o projeto consiste em detectar alterações auditivas dos alunos. Na primeira etapa, os pais e professores respondem um formulário que avalia o desenvolvimento escolar dos estudantes. Após a análise das respostas, os alunos identificados com alguma possível alteração auditiva são encaminhados para o Departamento de Tecnologia Assistiva.

“O processo de avaliação do sistema auditivo é feito através dos procedimentos de triagem, audiometria e testes que detectam a integridade e habilidades do sistema auditivo, favorecendo encaminhamentos e tratamentos adequados a fim de que a aquisição linguística não seja prejudicada”, explica.

A campanha estende-se até novembro deste ano. Para mais informações basta ligar no 4194-4939 ou comparecer na sede da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, situada na rua Vereador Isaias Pereira Souto, 175, Jardim Belval.

SDPD concede aparelho auditivo especial

Neste mês a SDPD concedeu um recurso de tecnologia assistiva ao morador Rafael Kenji Suzuki Pereira, de 9 anos de idade, que possui uma deficiência auditiva de grau profundo.

De acordo com a fonoaudióloga Solange Lança, o aparelho auditivo é um processador de som, componente de um equipamento de alta complexidade tecnológica que, nos últimos anos, tem sido utilizado para reabilitar a função da audição em pessoas que não possuam ganhos com o uso de aparelhos auditivos convencionais.

“A dispensação e o uso deste equipamento para o munícipe, através de indicação técnica, são de extrema importância para a melhoria da sua qualidade de vida, propiciando, também, condições de estimulação mais favoráveis à autonomia, interação, atividades de vida diária e ao processo educacional”, afirmou Solange.