Ex-mulher de Bolsonaro nega acusação: “mídia suja quer denegrir a imagem dele”

Ana Cristina Valle, conhecida como Cristina Bolsonaro, ex-mulher de Jair Bolsonaro (PSL) divulgou um vídeo na noite desta terça-feira (25) no qual nega ter sido ameaçada de morte pelo candidato à presidência, em 2011, conforme noticiou a “Folha de S. Paulo” com base em documento do Ministério das Relações Exteriores.

“Venho aqui, muito indignada, desmentir a suja ‘Folha de S. Paulo’, aonde publica que o Jair me ameaçou de morte. Nunca”, declara ela no vídeo.

“Essa mídia suja só quer denegrir a imagem dele, porque ele está em primeiro lugar nas pesquisas e acredito que ele vai ficar. Porque eu acredito que ele ganha no primeiro turno”, continua a ex-mulher do candidato à presidência.

Itamaraty 

Um documento obtido pelo jornal “Folha de S. Paulo aponta que Ana Cristina Valle afirmou ao Ministério das Relações Exteriores (ou Itamaraty), em 2011, que havia sido ameaçada de morte por Bolsonaro.

“A senhora Ana Cristina Siqueira Valle disse ter deixado o Brasil há dois anos (em 2009) ‘por ter sido ameaçada de morte’ pelo pai do menor (Bolsonaro). Aduziu ela que tal acusação poderia motivar pedido de asilo político neste país (Noruega)”, diz o documento, elaborado após Bolsonaro acionar o Itamaraty para investigar o paradeiro da ex-mulher na Noruega.

A declaração de Ana Cristina ao Itamaraty teria sido feita em julho de 2011, quando os dois travavam uma disputa pela guarda do filho, Jair Renan, então com 12 anos, e ela embarcou com o garoto para Oslo, o que deixou o deputado federal contrariado. A ex-mulher afirmou, à “Folha”, que Bolsonaro não queria “nem que o menino passasse férias comigo lá”.

Ela já havia afirmado que o problema com o ex-marido foi um episódio “superado”.

 

Visão Oeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.