Rogério Lins anuncia troca da administradora do Hospital Antonio Giglio

Em meio a reclamações sobre questões como supostos atrasos de salários de funcionários, a Prefeitura de Osasco anunciou a troca, em até 120 dias, da Organização Social que administra o Hospital Municipal Antonio Giglio, no Centro da cidade. Há um ano a unidade de saúde é gerenciada pelo Instituto Social Saúde Resgate à Vida (ISSRV).

“Entre os apontamentos que foram apresentados por pacientes, familiares, por servidores, a gente estabeleceu aqui, dentro de um entendimento com o ISSRV, que a gente tem 120 dias para abrir um novo chamamento público para ter uma nova administração aqui no Hospital Municipal Antonio Giglio”, declarou Rogério Lins.

Ele não deu detalhes sobre as questões que levaram à decisão pela troca da organização. “São assuntos pontuais, relacionados ao ritmo administrativo, financeiro… Algumas coisas que a gente precisa otimizar”.

O prefeito e o secretário de Saúde, João de Deus Santos Júnior, vão dar expediente durante esta semana na unidade para avaliar in loco as principais demandas. Uma comissão com representantes da administração municipal e do instituto vão traçar os rumos da mudança de gestão.

“Nós temos, numa ordem de escala aqui, algumas preocupações. Em primeiro lugar o paciente, que tem que ter um bom atendimento; em segundo, tão importante quanto, que os servidores tenham as condições mínimas para fazer um bom trabalho”, afirmou Rogério Lins.

“Estou olhando cada um dos setores do hospital. Cada andar estou fazendo questão de visitar. Fui no Centro Cirúrgico, na UTI, na UTI Infantil, na enfermagem… estou tendo a oportunidade de ouvir os funcionários, os colaboradores, pacientes, familiares. O intuito principal é otimizar bons resultados em curto prazo”.

De acordo com o prefeito, a administração municipal está intermediando as conversas com os funcionários da entidade para que recebam todas as pendências e, se possível, sejam contratados pela futura administradora do hospital.

Fake news

O prefeito de Osasco também reclamou de fake news espalhada nas redes sociais sobre uma suposta paralisação de médicos que teria sido programada para a manhã de hoje (4): “A pessoa que divulgou sequer esteve aqui pela manhã para ver se a paralisação aconteceria. A gente passou o fim de semana respondendo pessoas que o hospital não teria paralisação, que a gente estaria aqui acompanhando o andamento do atendimento no hospital”, declarou Rogério Lins.

Visão Oeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *